sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Pai de Ayrton Senna Foi o Autor dos Grampos no Telefone do Piloto, Afirma Biógrafo

Milton da Silva, no velório do filho Ayrton Senna, olhando para seu caixão. O que estaria passando pela cabeça do seu Milton? O pai de Ayrton fez diversas armações para separá-lo de Adriane Galisteu como grampear telefones das residências do piloto, para assim tentar descobrir algo comprometedor sobre a modelo, que o ajudasse a fazer Ayrton se afastar dela. Não descobriu absolutamente nada. As últimas palavras trocadas com o filho foram bem ásperas, os dois tiveram uma discussão horrível ao telefone, Milton deixou claro seu total descontentamento pelo relacionamento do filho com a modelo. Ayrton morreu brigado com o pai.


Milton da Silva queria separar o filho Ayrton Senna da mulher que amava, portanto, para conseguir seu objetivo, não mediu esforços, arquitetando diversos planos contra o casal como contou em entrevista o biógrafo do piloto, o jornalista Ernesto Rodrigues:








sábado, 5 de janeiro de 2019

Ayrton e Adriane não deram sorte!



"Já me perguntaram se com o Ayrton eu teria realizado o sonho de noivar e me casar. Se era ideia dele, não deu tempo. Fiquei sem saber." - Adriane Galisteu

Que azar! Por isso Adriane não gosta de falar sobre isso, sabe que ele a pediria em casamento no dia que faleceu. Para superar essa dor teve que ter muita fé, apoio da religião e Deus no coração.

"Tenho muito a lhe dizer. A lhe propor. A lhe oferecer - prosseguiu. - Devo estar aí às 20h30, por aí. Quero passar a noite em claro. Vamos conversar até o amanhecer. Quero convencê-la de que sou, disparado, o melhor homem de sua vida." - Ayrton Senna se declarando para Adriane Galisteu, poucas horas de morrer.

Eles iam se casar. Que pena!



FONTES PESQUISADAS

RUBYTHON, Tom; VLIET, Pierre Van. Sa dernière histoire d'amour. Formula 1 Magazine, Paris, numéro 11, 36-48, Excelsior - Automobiles  Classiques, Avril 2002.

Revista Caras, Ano 5, Edição 255, nº 39, 25 de setembro de 1998.



quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

"Nós temos a Adriane Galisteu (e Ayrton Senna) que foi a maior venda: 1 milhão de exemplares" (Vídeo)



"Nós temos a Adriane Galisteu (e Ayrton Senna) que foi a maior venda: 1 milhão de exemplares" - Luis Maluf, Diretor Geral da Revista Caras, na festa de comemoração dos 25 anos da Caras.


Programa Amaury Junior - TV Band - 12 de dezembro de 2018

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Nirlando Beirão, ghost writer de Caminho das Borboletas, Defende Adriane Galisteu das Línguas Ferinas




Adriane Galisteu afirma que gravar os depoimentos que resultaram no livro também funcionou como terapia; voltar à história lhe deu condições de sair mais forte. "Dos outros seis livros sobre o Ayrton que li, quatro são de autores que o viram duas vezes, no máximo. Por que eles não são acusados de aproveitadores, e eu, que vivi com ele, sou?", questiona. Para Nirlando Beirão, tal acusação é descabida. "O Ayrton sempre foi fechado como uma ostra para a imprensa, discreto ao extremo. Como se sabia muito pouco sobre sua vida pessoal, interessava à revista Caras mostrar quem era o homem por trás do ídolo, por meio do depoimento da última namorada. Trocando em miúdos, se existiram exploradores, fomos nós, jornalistas."



FONTE PESQUISADA


MOISÉS, Joyce. A verdade de Adriane Galisteu. Revista Nova, São Paulo, nº 07, ano 23, p. 92-95, Editora Abril,  Julho 1995.

Gênio F1! Ayrton Senna (Vídeo)



segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Ayrton Senna na Festa de Fim de Ano de Sua Empresa em São Paulo 1993


Ayrton Senna confraternizando com seus funcionários

Feliz Natal!


Edifício Centro Empresarial Vari. Edifício espelhado com heliponto construído por Ayrton Senna no coração de Santana, em São Paulo. 


Saiba tudo sobre o Edifício Vari








sábado, 22 de dezembro de 2018

A pedido de dono, McLaren aplica cores de carro do 1º título de Senna em máquina de R$ 9 mi

Modelo P1 GTR, criado pelo setor de "operações especiais" da empresa, recebeu a mesma pintura do MP4/4 e foi batizado de "Beco", um dos apelidos do brasileiro tricampeão

Por GloboEsporte.com — Woking, Inglaterra
 20/12/2018 14h23  Atualizado há 2 dias

Foto: McLaren

Dinheiro traz felicidade? Para o dono dessa McLaren P1 GTR, provavelmente trouxe. O comprador do supercarro pediu que a companhia britânica criasse uma versão da máquina com as cores do MP4/4, carro com o qual Ayrton Senna conquistou o primeiro título em 1988, em homenagem aos 30 anos do triunfo. O pedido, atendido, foi feito pela "tropa de elite" (Special Operations) da McLaren, que a requisito do dono batizou o veículo de "Beco", um dos apelidos do tricampeão.

McLaren P1 GTR Senna — Foto: McLaren

O supercarro levou três anos para ficar pronto e, além da pintura clássica e do apelido de família de Ayrton, recebeu a bandeira do Brasil na lateral e o logo "Senna". A cereja do bolo é uma das famosas frases do ídolo no chassi: "Eu não nasci para chegar em segundo ou terceiro... Nasci para vencer". Todos os detalhes são pintados diretamente na carroceria do carro, em vez da aplicação de adesivos, o que fez com que o trabalho levasse cerca de 800 horas para ser concluído.

McLaren P1 GTR Senna — Foto: McLaren

O carro de número 12, de um total de 58, recebeu além da pintura, um novo pacote aerodinâmico, o que aumentou consideravelmente o nível de pressão aerodinâmica (downforce). O motor recebeu um novo revestimento anti calor, feito a base de ouro 24 quilates, mas segue com a mesma configuração nada humilde: V8 de 3.8 litros, com dois turbos e total de 968 cv de potência. O preço do brinquedo? Nada menos do que 1,9 milhões de Libras (ou R$ 9,2 milhões).

Interior McLaren P1 GTR Senna — Foto: McLaren


McLaren P1 GTR Senna — Foto: McLaren



FONTE PESQUISADA

GLOBO ESPORTE - A pedido de dono, McLaren aplica cores de carro do 1º título de Senna em máquina de R$ 9 mi. Disponível em: <https://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/noticia/a-pedido-de-comprador-mclaren-aplica-cores-do-carro-do-primeiro-titulo-de-senna-em-super-maquina.ghtml>. Acesso em: 22 de dezembro 2018.