domingo, 28 de dezembro de 2014

Caras: A Última Entrevista Dela 04 05 1995

A ÚLTIMA ENTREVISTA DELA

Por Cynthia de Almeida
Revista Caras 04/05/1995


Nas páginas seguintes, a íntegra das últimas e exclusivas confissões da namorada do piloto, publicadas na edição nº20 de CARAS, de 25 de março.

Não sei quantas horas, ao todo, conversei com Adriane Galisteu, a bela modelo que, no último ano, foi a companheira de Ayrton Senna. Quase um mês se passou desde o primeiro contato até o ponto final da minha entrevista. Foram várias tardes de conversa ao telefone (era ela quem guardava o celular brasileiro dele), almoços regados a refrigerante (ela não bebe), todo um dia para a sessão de fotos no litoral norte paulista (ela adora praia). Foi sobretudo, um encontro sem pressão (ela pensa muito antes de pronunciar cada palavra, como o Ayrton fazia) e, o mais importante para um jornalista, a chance única de observar melhor o lado carne e osso de alguém que convivia com uma lenda, com variação de humor, manias, segredos.

Desconfiada a principio, Adriane contrapunha sua agenda de trabalho para adiar nossa entrevista. Eu não poderia esperar outra coisa de uma garota que foi escolhida como parceira por um dos menos falantes ídolos de todo o mundo. Mas, a certa altura, confesso que já perdia as esperanças de fazer um bom trabalho: para mim, ela era um Ayrton de longos cabelos loiros (ela aprende rápido). Aos poucos, porém, nossos contatos foram se tornando mais freqüentes. E, afinal, tive a oportunidade de descobrir uma garota interessante, curiosa, diferente do que eu imaginava.

Dizem que as mulheres de homens muito assediados se contentam em ser a sobra deles, que o anonimato e a discrição são prerrogativas do cargo. Mas Adriane não era sombra. O sorriso largo ao lembrar dos momentos divertidos do tricampeão, a raiva nos olhos sobre fofocas sazonais, o ar cheio de esperança das apaixonadas que sonham com o casamento clássico – tudo nela cheirava a vida, a energia. Em alguns momentos, enxerguei na minha frente uma adolescente risonha, em outros, uma mulher que tem muito claro, dentro de si, o que quer. Adriane deu a impressão de que se bastava com o amor. Não se deslumbrava com o circuito vip internacional e, para ela, ganhar do namorado milionário um automóvel do tipo básico já estava muitíssimo bom.

Não foi fácil penetrar no mundo tão resguardado dos dois (isso mesmo: ela não é boba, sabe se preservar) e creio que, em alguns momentos, Adriane julgou que eu avançava o sinal de sua intimidade. Em momento algum, porém, sonegou alguma resposta. Mais: como em um bate-papo banal, ela era quem, às vezes, fazia perguntas, pedia opiniões, queria ouvir. Dentro de sua franqueza de quase menina, estabeleceu uma conversa agradável, leve. E saiu-se com elegância de todas as perguntas (ela é inteligente).

Fiquei imaginando se era assim que os dois, Adriane e Ayrton, varavam as noites estreladas em Angra dos Reis ou em um romântico jantar em Mônaco. Também calculei como toda aquela alegria bem torneada transbordava a cada vitória de Ayrton nas pistas, ou como seu coração generoso sofria antes de cada largada. Saberiam, eles dois, manter o entusiasmo com tantos compromissos no meio e tanto perigo em volta? Viveriam com a mesma fleuma das fotos que os mostravam tão adequados um ao outro?



Posso apostar que sim. Estamos acostumados a suspeitar do marketing pessoal das celebridades. Mas isso é um cacoete de quem imagina – ou espera? – que os ungidos pela Fortuna sejam diferentes de nós, que sejam estranhos ao que conhecemos como vida real. Queremos o sonho, o extraordinário, quem sabe o chocante. E só com o tempo aprendemos que o extraordinário é perceber que as historias de amor são tão divinamente comuns. 





FONTE PESQUISADA

A última entrevista dela. Revista Caras, São Paulo, Especial Nº 2, Ano 1, Editora Abril, 04 de maio 1995.

Nenhum comentário:

Postar um comentário