sábado, 24 de março de 2018

Nada Seria o Mesmo Novamente


TRADUÇÃO LIVRE

Flashback: Adriane Março 1993

Nada seria o mesmo novamente

Foi apenas mais uma linda tarde de segunda-feira no centro de São Paulo quando Adriane Galisteu, de 19 anos, apareceu nos escritórios da Elite Models, a maior agência de modelo do Brasil, para uma audição. A segunda-feira, 15 de março de 1993, não teve nada para distingui-la de qualquer outra segunda-feira para Adriane. Ela amava todos os dias da semana e estava vivendo seu sonho. Adriane tinha modelado desde os 12 anos de idade, e ela estava nos books da Elite desde que abriu o escritório de São Paulo em 1989. Ela era filha de uma mãe brasileira e de um pai espanhol morto de um ataque cardíaco aos 54 anos quando ela tinha 15 anos.

Desde que ela podia andar, Emma, sua mãe a introduziiu em concursos de beleza e ela ganhou alguns deles. Como ela lembrou: "Quando eu tinha nove anos, descobri que era linda e disse: ‘ Mamãe, eu quero estar na TV.‘” Emma Galisteu disse que não seria fácil, mas ela conseguiu uma fotógrafa chamada Teresa Pinheiro para fazer o portfólio da filha e, assim que viram as fotos, ela foi rapidamente inscrita por uma agência infantil chamada Pretty Models, em San Caetano.

Ela não decepcionou sua mãe e, às 12, ela ganhou uma audição para aparecer em um comercial de TV para hambúrgueres McDonald's. Sua carreira decolou depois disso, e ela foi aprovada pela Elite quando abriu o escritório de São Paulo, quatro anos depois.

Adriane não era uma modelo de nível superior*, mas também não era de segundo nível. Aos 19 anos, ela já havia feito dois trabalhos no exterior e poderia facilmente ganhar US $ 500 a US $ 1.000 por dia, quando havia trabalho. Ela tinha um certo aspecto que os clientes gostavam. Ela não era uma beleza clássica, mas [sua beleza] era muito etérea com um sorriso mágico. Seus longos cabelos loiros caíram em cascata por todos os lados. Ela não era para todos, mas para alguns clientes ela se encaixava perfeitamente. Isso significava que ela sempre estava em demanda e facilmente encontrava trabalho por pelo menos dois dias por semana. Ela nunca conheceu mais nada [além disso], e ela encontrava modelagem apenas numa rodada de audições. Havia outras distrações, como ela disse: "Alguns convites que podem ser aceitos, algumas propostas que devem ser recusadas".

*Apenas por não ter altura, pois Adriane era um pouco mais baixa do tamanho ideal para ser uma top model.

Em 1993, com apenas 19 anos, o mundo estava a seus pés. Mas, de repente, naquela particular segunda-feira, quando ela se aglomerou [junto a outras modelos] na recepção da Elite, ela teve um choque de realidade. Ela estava em companhia de uma dúzia de outras garotas que ela percebeu eram tão bonitas e desejáveis ​​quanto ela. Ela se perguntou o que a fez destacar-se nesta agência e chegou à conclusão: "nada".

Hoje, ela fazia uma audição para uma tarefa incomum e quase não se preocupou em vir. Shell Oil queria anfitriãs para o Grande Prêmio do Brasil e, em vez de ir a uma agência de promoções, chegou à Elite Brasil porque queria as melhores garotas para uma tarefa especial. A Shell estava pronta para pagar taxas de modelagem por quatro dias de trabalho promocional. Tinha atraído 12 meninas que faziam audições para 10 vagas. Adriane nunca perdeu uma audição competitiva e sabia que esse trabalho seria dela se quisesse. Mas ela queria isso? Ela tinha feito o trabalho promocional quando começou [a carreira], mas foi além disso. Como ela disse: "Honestamente, a menina promocional não soou [pareceu] bom para mim. Não que eu não tivesse feito esse tipo de trabalho; Não foi isso, sem preconceito, só que eu estava em um momento muito especial na minha carreira e senti que poderia escolher meus trabalhos. Além disso, a Fórmula 1, pensei que era um mundo fechado, muito masculino. Era tão distante para mim quanto o rugby ou beisebol. " Ela brincou: " Eu nunca gostaria de trocar meu perfume Roma by Laura Biaggotti pelo cheiro de gasolina ".

Mas US $ 1.000 para quatro dias de trabalho foi um bom pagamento por trabalho de promoções, e ela foi persuadida a aceitar a tarefa, especialmente quando viu quantas top girls da Elite, incluindo Nara Pinto, Patricia Teixeira e Laura Guiterrez, também tinham ido para isso.

Mas a audição quase terminou em lágrimas quando dois executivos da Shell pediram a Adriane para modelar um maiô. Ela não compreendeu [houve um mal-entendido] e falou no português o equivalente a: "Estou fora daqui". Conforme [No exato momento que] ela foi saindo, o homem responsável agarrou sua mão e disse: "Não, você não entendeu". Ela só se acalmou quando eles disseram que o uniforme para o trabalho tinha o mesmo corte que o maiô, razão pela qual era necessário.

Ela não compreendeu quão importante era o trabalho e que os três principais diretores da Shell no Brasil estavam presentes pessoalmente na audição para aprovar as meninas. Eles estavam cortejando alguns clientes importantes nesse fim de semana, e até Ayrton Senna concordou em ajudar com o processo ao visitar a suite de hospitalidade (suite VIP).

Adriane continuou ouvindo o nome de Senna. Ela obviamente sabia quem ele era, mas não tinha entendido o quanto ele era importante. As outras garotas estavam falando sobre Senna e o fato de que ele atualmente não tinha uma namorada regular, e era bastante claro que elas estavam todas por esse papel. Na verdade, ela parecia ser a única que não estava interessada. Adriane já tinha um namorado. Foi continuamente ligado e desligado [on and off: esporadicamente/[se viam] de vez em quando], mas de uma forma engraçada, foi sólido. Ela estava apaixonada? - talvez, pensou. Ele [o então namorado] estava apaixonado por ela? - improvável, ela também pensou.

Adriane e as outras nove meninas passaram pela audição. Depois, ela saiu dos escritórios para fazer compras e tomar café com as meninas. Para ela, era apenas mais uma tarefa e uma boa mudança [ao invés] de estar na frente de uma câmera [fotográfica] o dia todo. Como ela lembrou: "Nunca pensei que, durante esse fim de semana, eu acharia o amor da minha vida".

Então, conforme (no exato momento que) ela foi saindo, ela de repente lembrou que estava reservada para um trabalho de modelagem na quinta-feira. Ela voltou e disse-lhes que não poderia começar na quinta-feira, esperando que eles cancelassem toda a reserva [ inscrição]. Mas eles não o fizeram e disseram que poderia começar só na sexta-feira. "O mesmo dinheiro?", Ela perguntou de forma atrevida. "Mesmo dinheiro", respondeu o chefe da Shell. "Feito", ela respondeu e apertou a mão, entregando seu sorriso único, quase sacana, ao mesmo tempo. Os diretores da Shell pensaram que ela era a escolha do grupo, com sua sabedoria da rua combinada com uma inocência inquestionável, e é por isso que eles concordaram em pagar seu dinheiro de quatro dias por três dias de trabalho.

*Street Smarts [Sabedoria da Rua]: habilidade e conhecimento necessários para se sobreviver em uma zona urbana

Na verdade, era seu segundo trabalho na Fórmula 1 - ela havia feito uma sessão de fotos em Portugal em 1990, quando tinha 16 anos. Foi a primeira viagem no exterior, e ela assistiu a Nigel Mansell dominar o Grande Prêmio de Portugal em sua Ferrari. Ela se tornou uma fã do inglês. Até então, ela sempre foi indiferente a Senna, que ela mal notou, tinha chegado em segundo lugar. Como ela disse: "Eu estaria mentindo se eu dissesse que eu era fã de Ayrton Senna".

Sem saber o motivo, Adriane encontrou-se realmente ansiosa para a sexta-feira. O trabalho de modelagem na quinta-feira era bastante direto e ela estava em casa cedo e foi dormir logo depois que sua mãe tinha servido o jantar.

Na manhã seguinte, ela estava fora da cama às 5 da manhã na sexta-feira, 19 de março, e direto em um táxi, a agência enviou para levá-la aos escritórios de Elite para começar às 6 horas. As outras nove garotas já estavam lá esperando, e assim que ela atravessou a porta, elas se empilharam em um microônibus para chegar ao circuito da pista de corrida de Interlagos antes do tráfego intensificar-se.

Ela lembrou: "No circuito, rapidamente nos disseram como a Fórmula 1 opera, de modo que nós não ficássemos lá com nossos belos rostos e corpos. Eles nos apresentaram ao jargão [linguagem] do circuito: pitwall, cockpit, pitlane, etc." Ela recebeu seu uniforme, que consistiu em uma camisa branca da marca Shell e hots parts [tipo um shorts]. Foi uma tarefa fácil cuidar dos importantes convidados da Shell, mostrando-os ao redor do paddock e certificando-se de que eles estavam felizes. Ela achou toda a cena muito relaxada, e a surpreendeu - tudo parecia tão calmo. Onde foi toda a emoção de que todos falaram?

E não parecia haver sinal de Ayrton Senna.

Depois de um dia de 12 horas, o micro-ônibus coletou todas as meninas por volta das seis horas, e desta vez não tiveram escolha senão passa por todo o tráfego de corrida deixando o circuito. Ela não chegou em casa até bem depois das oito, 14 horas depois de ter saído de casa naquela manhã. Ela estava exausta, mas sua mãe manteve o jantar quente para que pudessem comer juntas. Ela então caiu na frente da televisão ansiosa para ver algumas novidades sobre o Grande Prêmio, no qual ela nunca tinha estado interessada antes. Ela ficou surpresa ao ver que três quartos dos programas estavam focados em Ayrton Senna como se ele fosse o único piloto na corrida. Adriane percebeu que sabia muito pouco sobre o herói nacional do Brasil. Ela estava surpresa o quão bonito ele era e se perguntou se o veria amanhã.

No sábado, ela passou pelas mesmas rotinas novamente, mas notou o aumento na atmosfera e na tensão. De fato, ao meio-dia, ela notou uma mudança completa da indiferença casual de sexta-feira para o intenso interesse pelo que estava acontecendo na pista e, em particular, o que estava acontecendo com Senna. Eventualmente, ele se classificou para a corrida em terceiro lugar, o que a surpreendeu - "Ele nem sempre ganhou?", Pensou para si mesma.

Depois que os convidados almoçaram e assistiram à qualificação, as meninas podiam comer, logo depois das 14:30. Mas o almoço foi interrompido quando os sussurros varreram a suíte da hospitalidade da Shell que Ayrton Senna chegaria em breve. Foi uma notícia emocionante para os convidados, e Adriane ficou muito surpresa ao ver a mudança que surgiu sobre alguns dos principais empresários do Brasil, entusiasmados com a perspectiva de conhecer Senna.

Algumas dessas pessoas ela reconheceu dos jornais e eles pareciam impressionados. "Quem era esse homem?", Pensou novamente.

Nenhuma das modelos realmente esperava encontrar Senna, embora todas as conversas na sala de descanso estivessem sobre ele e como ele estava solteiro novamente depois de finalmente se separar de sua namorada, Xuxa Meneghel, no ano anterior. Eles, na verdade, se separaram três anos antes, mas Senna tinha mantido sua vida pessoal sob o radar desde então.

Havia sussurros de que ele estava interessado em uma das garotas Shell que chamou sua atenção. Quando foi confirmado que ele estava a caminho, houve uma pressa no banheiro e todas as garotas se aglomeraram ao redor do espelho. Adriane ficou perplexa. Ela não era uma fã da Fórmula 1, e não tinha o menor interesse por Senna.

Isto até que o viu.

Senna sempre teve sua escolha de meninas brasileiras. Ele tinha muitas namoradas (tinha e teve muitas namoradas antes de Adriane Galisteu): muito mais do que eram aparentes para o mundo exterior. Ele foi para meninas brasileiras quase que exclusivamente. Quando ele gostava de uma menina, sua técnica era fazer com que seu assistente pedisse seu número de telefone. Se ele tivesse uma boa reação, Senna chamaria [ligaria/telefonaria]. Seu estilo de vida cigano e constante movimentação significou que ficou isolado a partir de relacionamentos que deram errado. Embora houvesse muitas namoradas casuais, só havia existido duas mulheres realmente sérias em sua vida antes de Adriane. Os duas eram sua ex-esposa, Lilian, em 1981; e Xuxa Meneghel, uma apresentadora de TV brasileira muito famosa (e rica), entre 1989 e 1990.

Ele chegou em um frenesi, cercado por admiradores com fotógrafos disparando flashes. Era uma comoção e tudo o que Adriane podia ver era o seu boné azul. Mas ficou imediatamente impressionada com o modo como ele pareceu cumprimentar todos pessoalmente e entrar em toda a cena. Ele apertou a mão de um convidado enquanto se dirigia a outro, depois se virou e dirigiu-se a esse enquanto a mão dele disparava para outro e assim por diante. No final, todos agitaram a mão e falaram pelo menos duas palavras para ele. Ninguém se sentiu prejudicado e ela notou que todos tinham sorrisos em seus rostos.

Adriane ficou extremamente impressionada com a forma como ele fez isso e percebeu que sua popularidade com os brasileiros não era um acidente - ele era especial. Como ela disse: "Seu tempo e controle da situação enquanto ele cumprimentava todos, olhando ao redor. Não me movi, apenas observei. Ele estava lá, indefeso entre fãs e pedidos de autógrafos e sem privacidade. A vida de Ayrton Senna deve ser muito difícil, pensei comigo mesma ".

Então, quando o encontro e a saudação acabou, ele subiu em um palanque improvisado e lhe foi entregue um microfone. Aparentemente sem esforço, ele fez um pequeno discurso e então Adriane estava certa de que ele se virou e olhou para ela. Ela estava de pé no meio do grupo de meninas da Elite e todas sentiram o mesmo depois - que ele as olhava. Depois, nenhuma das garotas podia ter certeza de quem tinha captado sua atenção, mas cada garota tinha certeza de que era ela mesma. Adriane lembrou: "Eu senti que ele olhou para mim. Mas foi eu ou Nara que estava logo atrás de mim? Ou era apenas um olhar vazio? " Nara Pinto disse a ela: "Ele olhou para você. " Adriane respondeu: " Foi para você." Nara disse: " Não, ele prefere loiras ".

Ela admite que toda excitação [emoção] chegou até ela, e até então ela estava muito interessada em saber se ela era escolhida, especialmente quando o rumor começou a zumbir de novo que Senna estava definitivamente apaixonado por uma das garotas Shell [Grid Girls da Shell]. Mas qual garota Shell?

Adriane tinha visitado a pit garage [onde ficam as equipes – boxes das equipes] com seus convidados na sexta-feira e sábado, ambas as vezes sem ver Senna, e no segundo dia ela estava mantendo uma vigilância aguda por ele.

No sábado à noite, a rotina da viagem para casa foi repetida, mas desta vez o tráfego do circuito foi terrível e foram depois das nove horas antes de Adriane estar de volta para casa. No domingo, houve um início ainda mais cedo e as meninas se reuniram no escritório da Elite às 5:30 da manhã para pegar o ônibus - era a única maneira de chegar ao circuito na hora.

No circuito, ela encontrou a atmosfera e a tensão aumentou novamente. As meninas estavam tão ocupadas atendendo a muitos outros convidados do que na sexta e no sábado. Adriane ficou pastoreando grupos de convidados para o pit lane por toda a manhã.

*Pit Lane: uma faixa de circulação separada da pista por um muro, onde as equipes e pilotos se preparam e arrumam os seus carros durante o fim de semana de competição.

Em uma das viagens, ela ficou de repente surpreendida com uma batida no ombro de um homem que se apresentou apenas como Jacir. Ele disse: "Eu sou o assistente pessoal de Ayrton Senna para questões privadas. Ele me pediu para obter seu número de telefone. "Adriane olhou para Jacir por alguns segundos e, então, sem sequer pensar, tirou o bloco de suas mãos e escreveu seu número de casa e o número do escritório da Elite. Então um homem mais velho, que se apresentou como Antônio Braga, apareceu e pediu-lhe um número de fax onde poderia ser contatada. Braga insinuou o interesse de Senna nela.

Braga era um empresário aposentado que morava em Portugal e nas Bahamas; Ele era o amigo mais próximo de Senna. Adriane não sabia disso, mas era o início de uma amizade duradoura entre Adriane e a família Braga.

Adriane estava em êxtase quando voltou para a suíte de hospitalidade e não pôde deixar de compartilhar suas novidades com as outras meninas. No entanto, seu rosto caiu de repente quando meia dúzia das meninas Elite lhe disseram que tiveram uma experiência similar naquela manhã e que Jacir também havia pedido seus números de telefone. Adriane não podia acreditar e pensou para si mesma: "Ok, então é assim que Ayrton Senna joga o jogo".

Mas não era assim que ela jogava.

A Shell era uma importante patrocinadora da McLaren, e mais tarde naquele dia, antes da corrida, Senna veio a suíte de hospitalidade novamente. Ele fez outro discurso e disse aos convidados da Shell: "Eu posso ganhar. Eu não posso garantir a vitória, porém, é o que eu quero." Desta vez, as meninas estavam todas alinhadas logo em frente a ele em um cordão protetor enquanto falava. Quando ele terminou e estava dizendo adeus, Adriane olhou-o de perto pela primeira vez. Seus olhos se fixaram e ele sorriu diretamente para ela - desta vez não havia dúvida.

Embora ela estivesse furiosa com ele, ela admite que ela estava viciada nele a partir desse momento, ainda que estivesse determinada a não demostrar isso.

Adriane assistiu a mudança de clima à medida que a construção da corrida começou. O almoço foi cedo e os convidados depois foram para a sacada ou aos assentos da arquibancada, deixando as meninas na suíte para assistir a corrida na televisão. Adriane nunca tinha assistido uma corrida e a experiência era nova para ela. Todas as garotas vibraram quando a McLaren de Senna ultrapassou a Williams-Renault de Damon Hill entrando no segundo lugar na primeira curva. Prost dirigiu-se para a liderança e na volta 11, Hill alcançou Senna. Na volta 25, Senna teve um infortúnio e tomou uma penalidade [pit time penalty] por ultrapassar carros durante um período de precaução e caiu para quarto atrás de Michael Schumacher.

Então Ayrton Senna teve muita sorte quando a chuva caiu. Senna, Schumacher e Hill correram para os boxes para pôr pneus de chuva enquanto Alain Prost permaneceu com seus pneus de clima seco. Houve muitos acidentes, e pela primeira vez na Fórmula 1, um Safety Car apareceu na pista para desacelerar os carros enquanto os acidentes foram aclarecidos. Então, Alain Prost se acidentou, e o Safety Car voltou.

A chuva tinha causado o caos, e Adriane e as meninas estavam quase magnetizadas na frente da televisão curtindo a emoção de uma corrida molhada. Adriane lembra: "Minha apatia sobre a corrida se transformou em ansiedade, e eu só tinha olhos para aquele carro vermelho e branco da McLaren [carro de Ayrton]. Eu encontrei-me freneticamente torcendo por ele." Michael Schumacher saiu da disputa depois de uma longa parada nos boxes e a corrida estava entre Senna e Damon Hill, que estavam de volta com pneus normais enquanto a pista secava. Hill não era rival para Senna em uma pista molhada e o herói do Brasil retornou à liderança de sua corrida em casa. A multidão, e parecia todo o Brasil, ficou enlouquecida quando deu sinais que Senna ia ganhar. No final, ele bateu Hill por 16 segundos. Quando ele cruzou a linha de chegada, as meninas se abraçaram, recuperando-se o suficiente para receber seus exaltados convidados de volta à suíte de hospitalidade.

A vitória de Senna desencadeou uma série de celebrações e uma festa foi rapidamente organizada pelas pessoas de marketing da Shell naquela noite no Limelight Club, no centro de São Paulo. As 10 garotas receberam ordens dos chefes da Shell para participar. Adriane estava exausta depois de seus três dias agitados e aparentava cansaço, apenas indo junto com relutância. Ela estava resistindo a qualquer envolvimento com Ayrton Senna, e ela estava assustada com o que estava acontecendo com ela. Ela queria sair da ridícula montanha-russa emocional que ela criara em sua mente.

Ela também não se importava com casas noturnas: "Eu esperava ansiosamente deitar na minha cama para recuperar energia depois de um árduo dia de trabalho. Mas eu tive que ir. "

As meninas chegaram ao Limelight Club por volta das 11 horas para encontrar as celebrações já em pleno andamento. A chegada das garotas de Elite causou uma sensação próxima. Por razões não claras para si mesma, Adriane vestiu-se deliberadamente com  jeans, um top preto com um lenço de seda vermelho e usava uma maquiagem mínima. Subconscientemente, ela se fez parecer tão pouco atraente quanto possível, especialmente diante das outras garotas que estavam embonecadas às sobrancelhas [bem-vestidas dos pés à cabeça].

Ninguém tinha certeza se Ayrton Senna viria à festa, mas logo depois da meia-noite, ele estava de repente lá. Como Adriane lembra: "Chegou quando o relógio atingiu meia-noite, como se fosse uma história invertida de Cinderela." Para ela, pode ser que tenha sido. Os garçons formaram um corredor para Senna, seu irmão Leonardo e seu assistente Jacir para levá-los ao seu camarote reservado.

Adriane encontrou-o sentado em um padded banquette [um banco acolchoado, parecido com um sofá, comum em camarotes] com seu irmão, Leonardo, conversando com o ex-futebolista brasileiro Pelé. De repente, ela resolveu dizer "Olá" para Senna e sair.

Foi uma cena extraordinária com os dois mais famosos brasileiros juntos no mesmo lugar. A excitação era palpável. A mesa estava cercada por pelo menos uma dúzia de meninas, vestindo sua melhor roupa, se aglomerando em torno dos três homens. Mas Adriane notou que ela se destacava, precisamente como se vestia.

Ela esperou na fila informal e apertou-o a mão, felicitou-o por sua vitória e disse-lhe que curtiu o fim de semana e pediu desculpas por ter que sair tão cedo.
Mas Senna claramente tinha outras idéias. Ele raramente bebeu, mas por uma vez ele estava tomando álcool e pareceu um pouco fora de controle. Ele a puxou para ele enquanto Leonardo subia para abrir espaço. Ele a convenceu a tomar uma bebida. Ela lembra que ficou assustada e recuou para seu papel formal como representante de Shell e balbuciou alguns palavras protocolares:  "Eu disse: ‘ Você foi ótimo. Eu estou aqui em nome da Shell.’ Mas ele não me soltou: apenas brevemente, para pegar uma taça de champanhe, que ele me entregou." Mas Adriane não bebeu e nunca tomou álcool em sua vida. Enquanto ela recusava, Senna disse: "Mas é um dia especial. Eu venci. Você não beberá nada?” Ela explicou que não gostou do sabor do álcool e pediu uma Coca-Cola. Bebeu rapidamente, ela insistiu que ela tinha que sair porque tinha outra tarefa no início da manhã. Desta vez, Senna não persistiu, mas disse-lhe: "Aguarde um minuto, vamos ter um churrasco em Angra no fim de semana, você gostaria de vir?" Ela fingiu não ouvir e levantou-se para ir. Ela lembrou-se de dizer a Senna: "Eu tenho que ir. Você tem meu número de telefone."

Adriane estava jogando muito legal e estava agindo de forma contraditória - ela não estava preparada para ficar e competir com todas as outras garotas. Por essa altura, ela estava muito, muito interessada nele, e sabia que se afastar era um risco. Senna agarrou Jacir, que estava sentado em frente dele e disse: "Vá atrás dela e certifique-se de que ela venha no fim de semana."

Jacir a seguiu para fora da porta e convidou-a para a casa de praia em Angra poucos dias depois. Ele disse a ela que era uma festa de despedida antes de [Senna] retornar à Europa para a temporada européia. Adriane olhou para Jacir e não disse sim ou não. Ela apenas assentiu um "adeus" e correu para entrar em um dos táxis de espera que tinha sido reservado para levar todas para casa.



CONTINUA...



FONTE PESQUISADA

RUBYTHON, Tom. Fatal Weekend. 1º Edição. Great Britain: The Myrtle Press, 12 de novembro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário