sábado, 4 de outubro de 2014

Perfil Neyde Senna, Mãe de Ayrton Senna

Ayrton Senna Vive Opinião


Neyde, mãe de Ayrton Senna

Antes de fazer um dossiê sobre a mãe do Ayrton Senna, dona Neyde, queria traçar o perfil dela e explicar algumas características de sua personalidade. Usando muito como base a história de Senna e Galisteu – onde temos uma visão clara da personalidade dela –, e também um pouco de outras passagens da vida de Ayrton. Um pequeno resumo retirado de publicações. Com isso, Temos exatamente tudo que precisamos para traçar o perfil da mãe de Ayrton.

No livro “ The Life of Senna” conta que todos da família detestavam Adriane Galisteu por causa de sua origem humilde, isto é, pelo fato dela ser pobre, menos dona Neyde, pois amava o que o filho amava. Leia o trecho do livro:

“O irmão de Ayrton, Leonardo, estava hospedado até domingo (na mansão do Algarve) e estaria vindo com ele para Imola (última corrida da vida de Ayrton). Leonardo estava em uma missão de sua família para tentar convencê-lo a desistir de Adriane. Por vários tipos de razões a família, com exceção de sua mãe Neyde, que amava o que ele amava, detestava Adriane. Eles consideravam-na como pouco melhor do que uma camponesa, e não bom o suficiente para seu filho, o herói do Brasil. A verdade é que era da conta deles, que Senna amava a menina e, provavelmente, pedir-lhe para casar com ele quando esta temporada (européia de F1) terminasse. ”

Sabemos que amava o que o Ayrton amava, isso é um mimo, um agrado, mas também um apoio. 

Será que ela apoiava de verdade Ayrton e Adriane? Gostava da nora?

Neyde é uma esposa em um estilo de casamento antigo e patriarcal. Não dá pra saber o que efetivamente alguém pensa sendo condicionada a pensamentos e vontades de terceiros. Ainda mais tendo dois manipuladores na família (a filha Viviane e o marido Milton). A pobre mãe do Ayrton já deve ter se desacostumado a ter uma opinião sobre qualquer coisa que seja. O que sabemos de fato é que na frente do filho Ayrton ela apoiava, se foi realmente sincero? Quem sabe? Mas penso que ela seja uma pessoa boa, porém influenciada.

Neyde era uma mãe muito zelosa, ela se preocupava e queria participar da vida do filho. Afinal para nossas mães sempre somos crianças.

O único porém sobre a mãe de Ayrton foi não ter tentado se aproximar da Adriane. Se fosse minha nora por exemplo, eu manteria contato, mesmo após meu filho ter morrido (creio que quase todo mundo). Guardaria eternamente um carinho imenso por ela.


Senna e Galisteu

Mas eu acho que a Dona Neyde, como a maioria das mulheres criadas no início do século XX, segue aquela visão de "tenho que acompanhar a opinião do meu marido", isto é, se o marido e a Viviane que era filha mais velha não queriam mais contato com a Adriane ela acabou acatando. 

E sabe-se lá se eles (a filha Viviane e o marido Milton) não envenenaram Neyde contra Adriane, muito provavelmente foi o que aconteceu. Talvez eles tenham feito tanta intriga que ela optou por ser manter afastada. Mas eu acredito que apesar de toda essa passividade da Dona Neyde ela deve esconder um carinho pela Adriane, por saber que ela fez o filho Ayrton feliz. Lembrando que Adriane fala muito bem da dona Neyde em seu livro, diz que a antiga sogra era uma amiga, lhe dava conselhos e no último encontro delas no apartamento do Ayrton, quando se encontraram para Adriane retirar suas coisas, ela lhe disse: “Adriane, obrigada por ter sido mulher dele e tê-lo deixado feliz. Ele foi muito feliz com você. Vou rezar por você, vou torcer por você, gosto muito de você.”

Nota¹:  Neyde e Adriane tiveram dois encontros logo depois da morte de Ayrton. O primeiro foi na fazenda de dois amigos de Adriane e de Senna, o casal Braguinha e Luisa, no interior de São Paulo, lugar em que Adriane passou a viver após o enterro do amado. Na ocasião Neyde foi pegar o cartão do filho com a nora (Ayrton tinha conta bancária conjunta com Adriane, que foi imediatamente bloqueada pela família depois da morte dele, com isso impossibilitou inclusive a mulher de comprar as passagens de volta para o Brasil. Adriane morava com Senna em Portugal.). O encontro foi desastroso, pois Neyde, após pegar o cartão de crédito, deu 2 mil dólares a Adriane como título de ajuda. Atitude que acabou ofendendo Adriane. Não é para menos, ela se sentiu mais uma vez humilhada pela família. As duas tiveram mais um encontro em seguida, e dessa vez acertaram os ponteiros. Foi no apartamento de Ayrton (encontro já citado no post). Entretanto depois se afastaram, e nunca mais se viram. Não pela vontade de Adriane, que ainda hoje gostaria muito de revê-la e conversar com ela.

Nota²Com a Adriane não, mas com Xuxa a família de Ayrton mantém contato até hoje (certamente influenciados por Viviane Senna), mesmo a “rainha dos baixinhos” estando separada dele a mais de 4 anos e Senna casado a mais de 1 ano, morando junto com outra mulher, no caso a namorada Adriane, quando veio a falecer. Como vocês podem ver, assim como no funeral desprezaram a Adriane e acolheram a Xuxa como se fosse a legítima mulher dele, a viúva, depois a família continuou e continua sua preferência por ela.

Nota³: Senna e Xuxa não foram felizes juntos, ele sofreu muito e já foi humilhado por ela enquanto namoravam, mas a família dele relevou. Enquanto a Adriane que o fez muito feliz foi humilhada e jogada fora como um lixo. E hoje Xuxa recebe muito reconhecimento deles, participou de diversas homenagens, e é sempre muito bem tratada.



Viviane recebe Xuxa no premier do filme Senna. A "rainha dos baixinhos" foi a convidada especial do evento que aconteceu em 2010. Adriane Galisteu, embora também convidada, — o que nunca havia acontecido antes em eventos em homenagem a Senna promovidos por Viviane (Instituto Ayrton Senna) —, não compareceu.

Nota4: Bianca Senna, filha de Viviane, tinha 15 anos na ocasião (do falecimento de Ayrton), era muito amiga de Adriane, e foi outra que "chutou" Galisteu logo depois que o tio morreu, o que deve ter a magoado muito, pois ela fala com muito carinho dessa sobrinha de Ayrton no livro "Caminho das Borboletas". Além de Bianca ser muito nova na época, quem teria coragem naquela família de ir contra seu Milton da Silva (pai de Senna)? Só Ayrton mesmo, que era um homem independente e além disso de personalidade. 


Bianca e Xuxa ficaram amigas depois do funeral, aqui uma imagem das duas juntas no final dos anos 90. A mãe Viviane também estava com elas no evento.


Viviane Senna (a filha Bianca está atrás dela) em um evento acompanhada por Xuxa no final dos anos 90





REFERÊNCIAS 

RUBYTHON, Tom. The Life of Senna. 1º Edição Sofback. London: BusinessF1 Books, 2006.

GALISTEU, Adriane. Caminho das Borboletas. Edição 1. São Paulo: Editora Caras S.A., novembro de 1994. 

RODRIGUES, Ernesto. Ayrton, o herói revelado. Edição 1. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2004.

Conto de fadas e de dinheiro. Veja, São Paulo, edição 1363, ano 27, nº 43, p. 82. 26 de outubro 1994.

Nenhum comentário:

Postar um comentário